terça-feira , 23 janeiro 2018
Home / Destaque / Programas federais ‘punem’ municípios com aval do TCM, critica Eures Ribeiro

Programas federais ‘punem’ municípios com aval do TCM, critica Eures Ribeiro

Programas federais 'punem' municípios com aval do TCM, critica Eures Ribeiro

A Bahia está entre os Estados com maior número de contas municipais rejeitadas pelos órgãos de controle e, segundo Eures Ribeiro (PSD), o problema está na rigidez do Tribunal de Contas dos Municípios (TCM). O presidente da União dos Municípios Baianos (UPB) se queixa do TCM considerar gastos com programas federais para rejeitar as contas municipais. “Não é justo para o município carregar o programa de federal nas costas, pagá-lo com nossos recursos e ainda sermos punidos por isso”, alegou Eures. O prefeito de Bom Jesus da Lapa lembra, por exemplo, que o pagamento de salário de funcionários de programas fedeais ligados a área de saúde oneram as folhas municipais, sobrecarregando a situação dos cofres (veja aqui). “Se nós conseguíssemos retirar programas como CRAS do índice de pessoal dos municípios, o número de contas rejeitadas da Bahia cairia drasticamente”, acredita Eures. Em 2017, a UPB marchou até a Assembleia Legislativa Baiana (AL-BA) para pedir que a Casa pressionasse uma mudança no Tribunal. “Foi estratégico a gente marchar à Assembleia. Quem cobrou uma mudança de atitude do TCM foi o presidente da AL-BA”, lembra Ribeiro. No último ano, o presidente da AL-BA, Angelo Coronel (PSD), ameaçou votar um projeto de lei que extinguiria o TCM. “Eles se deliciam em rejeitar contas”, declarou Coronel na época (lembre aqui). Questionado se o pedido de flexibilização das leis da Corte não abriria brechas para casos de corrupção, Eures Ribeiro foi categórico: “Não queremos deixar de ter leis, queremos o que é justo!”. O presidente defende uma modernização das leis do TCM, espelho de alterações que foram feitas em outros Estados. “Do Nordeste todo só a Bahia não tirou os programas federais das contas municipais. Tire aqueles programas que não são nossos, que não criamos”, sugere Eures. “Nós somos a vítima por ter as contas rejeitadas pela rigidez”, completa. 

Veja Também

Temer quer votar reforma da Previdência em fevereiro mesmo que ‘para perder’ por Carla Araújo ...

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: