sábado , 25 novembro 2017
Home / Destaque / Jovem autista é linchado após ser confundido com bandido: ‘Bateram muito’

Jovem autista é linchado após ser confundido com bandido: ‘Bateram muito’

Carlos Eduardo Ribeiro da Silva, de 25 anos, morreu em Cubatão (Foto: Arquivo Pessoal)

Carlos Eduardo Ribeiro da Silva, de 25 anos, morreu em Cubatão (Foto: Arquivo Pessoal)

Um jovem autista de 25 anos foi morto após ser confundido com um criminoso ao entrar em uma comunidade em Cubatão (SP). De acordo com os médicos que atestaram a morte de Carlos Eduardo Ribeiro da Silva, o rapaz foi brutalmente espancado e morreu em decorrência dos ferimentos. A polícia está investigando o caso, mas, apesar de vários relatos e do laudo médico, afirma que a vítima foi morta após ser atingida por um tiro.

Antes de morrer, Carlos Eduardo fugiu de um culto ao qual tinha ido com a mãe no último dia 8 de outubro. “Ele saiu correndo da igreja. Ninguém conseguiu segurar. Eu fui atrás e ele atravessou a linha do trem. Testemunhas nos contaram que pegaram o meu filho e eu não estava lá”, desabafa a aposentada Irani Maria Santos da Silva, de 63 anos.

Ela e o marido procuraram pelo filho em diversas regiões da cidade naquela noite, mas ninguém o encontrou. Quando o casal chegou em casa, mais tarde, foi informado de que Carlos havia sido encontrado com ferimentos pelo corpo inteiro em uma viela de uma comunidade no bairro Vila Natal, e que tinha sido socorrido.

O rapaz foi levado ao Pronto Socorro de Cubatão, mas pela gravidade do caso, foi transferido para o Hospital Santo Amaro, em Guarujá, no litoral paulista. Na quinta-feira (12), ele não resistiu aos ferimentos e morreu. Segundo informações oficiais da unidade, o paciente estava com traumas espalhados pelo corpo e foi vítima de agressão. As informações, porém, só foram divulgadas na noite desta segunda-feira (16).

A surpresa da família ocorreu quando, no boletim de ocorrência, Carlos foi apontado como vítima de bala perdida, fato confirmado pela Polícia Civil ao G1. O caso foi registrado na ocasião pela Delegacia Sede de Cubatão como homicídio e está sendo investigado, para que sejam apontadas as reais circunstâncias.

“Como ele era um jovem especial, foi se esconder e bateram muito nele, sem motivo. Ele nunca mexeu com ninguém e ainda trouxeram para o hospital dizendo que foi tiro. Não tem cabimento isso”, explica uma amiga da família de Carlos, Camila Cristina dos Santos Lima.

Familiares e testemunhas contestam a a versão do boletim de ocorrência e afirmam que ele foi confundido com um criminoso, seja pela polícia ou por munícipes. “A gente quer justiça. É muito sofrimento para a mãe, para a família. Eu era amiga dele desde pequena, era como meu irmão”, desabafa Camila, que ajuda os pais dele.

Por meio de nota, o Hospital Santo Amaro, para onde o rapaz foi encaminhado, informou que o óbito dele foi declarado após parada cardiorrespiratória em decorrência de traumas crânio encefálico, pélvico e da face. Diante do quadro, os médicos da unidade confirmaram que ele foi vítima de agressões.

A Secretaria de Segurança Pública de São Paulo (SSP) informou que está apurando as informações, mas que, até a publicação desta reportagem, não obteve detalhes da ocorrência.

Veja Também

Como ‘punição’, Garotinho vai para presídio de segurança máxima em Bangu

O ex-governador do Rio de Janeiro Anthony Garotinho será transferido para o presídio de segurança ...

%d blogueiros gostam disto: