segunda-feira , 18 dezembro 2017
Home / Destaque / Falta de sinais por submarino desaparecido aumenta angústia na Argentina

Falta de sinais por submarino desaparecido aumenta angústia na Argentina

BUENOS AIRES — O drama que vem mobilizando a Argentina na última semana teve um ato a mais ontem, quando a Marinha argentina afirmou ter captado ruídos que poderiam ser sinais de alerta do San Juan, submarino que desapareceu na última quarta-feira, na costa da Patagônia com 44 tripulantes a bordo. No entanto, a esperança que se espalhou após o anúncio no início do dia teve vida curta. No fim da noite, o porta-voz da Marinha argentina, Enrique Balbi, confirmou que os sons registrados na rota que o San Juan deveria seguir não vieram da tripulação do submarino, aumentando a angústia de parentes dos ocupantes da embarcação, que segue desaparecida na costa do país. Embora afirme que as operações de resgate continuarão até que a embarcação seja encontrada, a Marinha alertou ontem que as buscas chegaram a uma “fase crítica”: o submarino teria comida e combustível para 90 dias, mas oxigênio para apenas uma semana debaixo d’água. Nesta terça-feira completam-se seis dias do desaparecimento.

Segundo o porta-voz da Marinha, Gabriel Galeazzi, o comandante do submarino teria relatado um problema no sistema elétrico antes que a comunicação fosse cortada. Embora submarinos como o San Juan possam passar um mês inteiro no mar, isso não significa que a embarcação seja capaz de ficar 30 dias submersa.

— Tudo depende da última vez em que as baterias foram recarregadas, de quanto tempo se passou até que o oxigênio tenha sido renovado, e do que esteja acontecendo. Nós não sabemos — afirmou à CNN o ex-mergulhador da Marinha dos EUA William Craig Reed.

O especialista em Defesa Peter Layton relatou à rede americana que um submarino operante se aproximaria da superfície uma vez por dia para renovar o oxigênio, recarregar baterias e enviar sinais de rádio. Caso o submarino tenha afundado, mas ainda esteja intacto, a tripulação teria oxigênio por, no máximo, cerca de dez dias. Parentes dos 44 tripulantes chegaram à Base Naval de Mar del Plata, a cerca de 400 quilômetros de Buenos Aires, para acompanhar de perto os trabalhos de busca. No local, as famílias, provenientes de diversas províncias argentinas, se reúnem e, em alguns casos, recebem tratamento psicológico para atravessar o difícil momento. A Marinha convocou o psiquiatra Enrique Stein, especialista em catástrofes, para ajudar os familiares mais abalados. O psiquiatra relatou à imprensa local que entre os familiares “existe tristeza, mas ainda não uma crise de angústia generalizada”.

— Nosso trabalho é acompanhar esse processo, ouvir, e é apenas isso o que estamos fazendo — disse Stein.

O desaparecimento misterioso do ARA San Juan na Argentina – Editoria de arte

Ontem, os familiares receberam a visita do presidente Mauricio Macri. Nas redes sociais, o chefe de Estado vem expressando o compromisso de seu governo com a procura do submarino, mas era criticado por não ter se encontrado com as famílias dos tripulantes até então. A preocupação pelo desaparecimento do San Juan, o mais grave desastre sofrido pela Marinha argentina nos últimos 30 anos, está crescendo. Em nota oficial, a Comissão Executiva da Conferência Episcopal Argentina (CEA) pediu aos argentinos que “se unam em oração para acompanhar a angústia que se vive pela situação do submarino, especialmente o momento que estão passando as famílias dos 44 marinheiros”.

Grande parte das famílias está instalada em Mar del Plata, um dos balneários mais frequentados da Argentina, onde vivem os tripulantes. Numa creche que funciona na base militar da cidade, filhos de alguns tripulantes são assistidos por suas professoras.

— Temos duas crianças cujos pais estão no submarino… estamos tentando acompanhá-las de diferentes maneiras — contou a diretora da creche, Beatriz Gambazza a meios de comunicação locais.

Muitos familiares se comunicaram pela última vez com os tripulantes em 11 de novembro, quando o submarino chegou à cidade de Ushuaia, no extremo Sul da Argentina. Um deles foi Claudio Rodríguez, irmão de Hernán Rodríguez, de 44 anos, suboficial principal e chefe de máquinas do San Juan. Em entrevista ao GLOBO, Claudio contou que seu irmão “estava bem, como sempre, e combinamos que nos encontraríamos quando ele chegasse de volta a Mar del Plata”.

— Estamos fortes e acreditamos que o submarino vai aparecer — afirmou Claudio.

Ontem, ele e outros familiares foram informados sobre a descoberta de caixas flutuando no local próximo de onde estava o submarino quando teve o último contato com a base.

— As caixas estão sendo estudadas, ainda não sabem se eram do San Juan. Também estão avaliando um sinal, porque os barulhos são confusos por conta do clima, que está péssimo. Pode ser uma baleia, o mar, tudo tem de ser cuidadosamente estudado — explicou Claudio, que pediu “ao povo brasileiro que ore por nós”.

Veja Também

Advogado retém dinheiro e família espera parecer da OAB-BA há três anos

(Foto: Evandro Veiga/CORREIO) “Temos como meta oferecer serviços jurídicos de altíssimo nível, buscando êxito e ...

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: