sábado , 25 novembro 2017
Home / Destaque / Dez prefeitos de capitais podem concorrer em 2018

Dez prefeitos de capitais podem concorrer em 2018

   
O prefeito de São Paulo, João Doria, anuncia uma série de mudanças estruturais na organização administrativa da sua gestão, na manhã desta quarta-feira (1º), na sede da Prefeitura. Entre as mudanças está a criação da Secretaria Municipal da Casa Civil, que será comandada pelo vice-prefeito Bruno Covas.

João Doria (PSDB-SP) fugiu de ovadas e foi aplaudido por empresários no Nordeste. . Marcus Alexandre (PT-AC) palestrou em cidades do Alto Acre. Carlos Amastha (PSB-TO) percorreu o norte do Tocantins.

Os quatro são prefeitos de capitais em seus respectivos Estados e, com viagens a outras cidades e regiões, miram voos mais altos em 2018.

A cinco meses do fim do prazo para desincompatibilização para quem quer disputar as eleições, pelo menos dez prefeitos de capital são cotados para concorrer a governos estaduais, ao Senado e até à Presidência.

Caso o número se confirme, será um recorde. Desde a redemocratização, 20 prefeitos de capital deixaram seus cargos para tentarem ser governadores ou senadores; seis deles em 2010, ano em que houve mais renúncias.

A história mostra que deixar o cargo traz riscos: desde 1989, destes 20 prefeitos, 9 perderam nas urnas. Foi o caso de Tarso Genro (PT), de Porto Alegre, em 2002, e Iris Rezende (PMDB), de Goiânia, em 2010 –ambos tentaram o governo estadual.

PALANQUES

Três prefeitos de capital hoje são tidos como certos nas disputas a governador: ACM Neto na Bahia, Marcus Alexandre no Acre e Carlos Amastha no Tocantins.

“Minha candidatura é a mais forte dentro do grupo da oposição [estadual]. Temos condições de competitividade muito boas, com palanques em quase todos os municípios”, disse ACM Neto à Folha.

Ele reafirma que não há decisão tomada, mas sua movimentação não deixa dúvidas: elegeu como vice um ex-assessor de confiança, Bruno Reis (PMDB), tem visitado o interior com frequência e protagoniza embates ásperos com o governador Rui Costa (PT).

Amastha (PSB), de Palmas, afirma que está “firme na discussão” para ser candidato a governador e que tem o respaldo da direção nacional do partido. “A decisão depende apenas de equacionar a situação da prefeitura”, diz.

A vice-prefeita Cíntia Ribeiro (PSDB) tem assumido mais funções na gestão e deve rumar a um partido da base aliada, já que os tucanos devem ser adversários: o senador Ataídes Oliveira (PSDB) também é pré-candidato ao governo.

Já o petista Marcus Alexandre, de Rio Branco, foi aclamado como pré-candidato a governador do Acre no último fim de semana.

PLANALTO

Único dos dez potenciais candidatos que cumpre primeiro mandato, o prefeito de São Paulo, João Doria (PSDB), pode disputar a Presidência ou o governo estadual.

Para isso, terá que suplantar na disputa interna tucana seu padrinho político (o governador Geraldo Alckmin) e outro prefeito de capital: Arthur Virgílio Neto, de Manaus.

Virgílio defende a realização de prévias internas, mesmo após o prazo de desincompatibilização. “Renuncio com tranquilidade”, diz. Caso não consiga a indicação, ele deve tentar voltar ao Senado e deixar o cargo com seu vice, Marcos Rotta (PSDB).

No Nordeste, outros três prefeitos de capital podem entrar na disputa pelo governo: Rui Palmeira (PSDB), de Maceió, Luciano Cartaxo (PSD), de João Pessoa, e Carlos Eduardo (PDT), de Natal.

O primeiro é considerado o único nome forte para se contrapor ao governador Renan Filho (PMDB), que deve tentar a reeleição.

Cartaxo (PSD) busca consenso para ser o candidato da oposição paraibana contra o secretário João Azevedo (PSB), provável candidato do governador Ricardo Coutinho (PSB).

Já o prefeito de Natal é visto como coringa no confuso cenário potiguar, no qual o governador, Robinson Faria (PSD), e outros nomes tradicionais são alvos de investigações.

Na região Norte, a prefeita de Boa Vista, Teresa Surita (PMDB), é nome competitivo para o governo de Roraima. Caso decida concorrer, será a segunda vez que ela renuncia à prefeitura para disputar eleições: em 2006, ela deixou o cargo para tentar o Senado e não venceu.

No Pará, a falta de um nome para a sucessão de Simão Jatene (PSDB) pode alçar o prefeito de Belém à vaga. Mas Zenaldo Coutinho (PSDB) tem baixa popularidade e enfrenta processo de cassação. 

Veja Também

Como ‘punição’, Garotinho vai para presídio de segurança máxima em Bangu

O ex-governador do Rio de Janeiro Anthony Garotinho será transferido para o presídio de segurança ...

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: