segunda-feira , 18 dezembro 2017
Home / Destaque / Advogado deixa defesa de Eduardo Cunha após episódio sobre compra de silêncio

Advogado deixa defesa de Eduardo Cunha após episódio sobre compra de silêncio

Criminalista Marlus Arns deixa a defesa de Eduardo Cunha, mas segue atuando na defesa de Cláudia Cruz
Marcos Oliveira/Agência Senado

Criminalista Marlus Arns deixa a defesa de Eduardo Cunha, mas segue atuando na defesa de Cláudia Cruz

O advogado criminalista Marlus Arns, responsável pela defesa do ex-deputado Edurdo Cunha (PMDB)  em ação penal da Operação Lava Jato, anunciou nesta quinta-feira (18) que não trabalha mais para o ex-presidente da Câmara dos Deputados.

O anúncio surge no dia após a revelação de delação do empresário Joesley Batista , dono do grupo JBS, segundo o qual o presidente Michel Temer havia dado aval a um plano para “silenciar” Eduardo Cunha . O advogado Marlus Arns sempre negou a existência de negociações acerca de um eventual acordo de delação premiada envolvendo Cunha.

Os motivos para o rompimento entre o escritório Arns de Oliveira & Andreazza e Cunha não foram informados até o momento. O criminalista, no entanto, continuará atuando na defesa da jornalista Cláudia Cruz, mulher de Eduardo Cunha, que também é ré em ação penal da Lava Jato.

Entenda o caso envolvendo o presidente Michel Temer

De acordo com informações obtidas por Lauro Jardim, colunista do jornal “O Globo”, os proprietários da JBS, Joesley e Wesley Batista, afirmaram em delação premiada que possuem uma gravação na qual Temer aprova o pagamento de uma “mesada” para calar o ex-deputado Eduardo Cunha e o operador de propinas Lúcio Funaro, ambos presos. Ao saber desta informação, o presidente teria solicitado que a prática não parasse: “Tem que manter isso”.

No depoimento aos procuradores, Joesley revelou que a ordem da mesada na cadeia não partiu de Temer, mas que o presidente tinha total conhecimento de toda a operação.

Outra informação veiculada pelo jornal que atinge o presidente diretamente é a de que Rodrigo Rocha Loures (PMDB-PR), homem de confiança de Temer e ex-assessor especial da Presidência, teria recebido R$ 500 mil de propina para cuidar de uma pendência da J&F, holding que controla a JBS. A pendência, no caso, seria a disputa entre a Petrobras e a J&F sobre o preço do gás fornecido pela estatal para a termelétrica EPE.

Ao ser indagado por Joesley sobre quem poderia ajudar a resolver esta situação a seu favor, Temer teria apenas respondido para falar “com o Rodrigo”. A pendência foi resolvida mediante um pagamento de R$ 500 mil semanais por 20 anos, tempo que duraria o acordo com a EPE. Apenas a primeira parcela de R$ 500 mil foi paga, segundo a reportagem de Lauro Jardim.

Veja Também

Criança é mordida por cão contaminado com raiva em Feira de Santana

A cidade de Feira de Santana está em alerta após uma criança ser mordida por ...

%d blogueiros gostam disto: